(Resenha) Sob do signo de Escorpião

Adivinha quem voltou a ser assunto do Blog? Ela mesma: Fernanda W. Borges, que já foi Fernanda Borges, e que está lançando seu terceiro livro de uma série neo-noir deliciosa. Sob o signo de Escorpião é mais um lacre dessa louca escritora de thrillers policiais.


Capa - Sob o Signo EscorpiãoNa turística Búzios do Réveillon de 2013, duas mulheres são encontradas mortas em uma mansão sob circunstâncias misteriosas. Os inspetores Douglas e Renato são designados para o caso e, enquanto o primeiro precisa enfrentar seu passado e seu receio de reencontrar Daniela Vidal, o outro faz o que pode para não cometer os mesmos erros de seu parceiro.

Femmes fatales se enfrentam e, como em um jogo de xadrez, somente uma rainha poderá restar em pé quando certa organização ressurgir das cinzas e incitar a luta por um novo líder.

Mais noir do que nunca, Sob o Signo de Escorpião – Parte 1 traz de volta personagens já conhecidos do leitor, como Daniela Vidal, de Orgasmos Fatais, e Laura Montenegro, de O Reverso do Destino, que — tendo inimigos em comum — se unem para levar adiante suas vinganças.

Neste thriller emocionante, que mistura assassinato, sadomasoquismo, sexo e drogas, Fernanda W. Borges nos apresenta a mais um de seus jogos policiais, em que a justiça nem sempre tem a ver com o cumprimento inequívoco da lei.


Fernanda W. Borges

1555384_224450807742296_1760895626_nEstamos num ponto de relacionamento com esta escritora, que já começam a ficar suspeitas as resenhas, porque o leitor olha e pensa: “Vão babar o ovo da Fernanda de novo…”

Mas, sério…Que culpa nós temos se a mulher é fera?

Então a gente vai continuar falando bem, até pra poder continuar lendo os livros dela em primeira mão.

Isso mesmo! Morram de inveja! Lemos antes de todo mundo…

A gente sêmo ispeciau!

images

Fernanda escreve thrillers policias do gênero neo-noir. Se a gente não explicou antes, noir é um gênero de ficção cuja característica principal é a não idealização das figuras de autoridade. Os policiais, detetives, heróis, mostram seu lado humano e falho. Seus vícios, seus desvios de comportamento, aquela partezinha especial que prova que é humano. Fernanda consegue fazer isso perfeitamente. Tão perfeitamente que não é raro nos perguntarmos se aquele herói é mesmo um herói, ou nos colocarmos no lugar do vilão. São todos humanos que erram e acertam, mas alguns têm a difícil missão de fazer cumprir a lei, mesmo que a lei nem sempre signifique justiça.


A história

A última resenha de um livro da Fernanda, quem escreveu foi a Betti, e foi de O Reverso do Destino. A história foi tão louca e cheia de saltos que ela não conseguiu contar, precisou usar emoticons. Agora a mocinha tá importante demais (cof, cof) pra escrever pro blog, e me passou a árdua missão.

Eu disse pra mim mesma: “Detona, Sônia!”

20457997

Sentei na frente do computador e… cri… cri.. cri…

Não dá!

Não dá pra falar da história sem dar spoiler. Muitos, muitos, spoilers. Principalmente dos dois primeiros volumes da série.

Mas… como eu me recuso a usar emoticons e não sei colocar gifs no post (AHAHAHAHAHAHA) vou tentar contar um tiquinho do que o leitor vai ver.

Sob o Signo de Escorpião começa contando um pouco da infância de Daniela Vidal e de Laura Montenegro, as mulheres fortes dos dois primeiros livros da série. E quando eu digo “contando a infância”, eu digo “contando a infância do jeito que Fernanda W. Borges conta uma infância. Gente morre, gente se droga, ninguém sabe como nem porquê até que ela queria que a gente saiba.

Quando a história chega ao tempo presente, poucas páginas depois, ela se ambienta em Búzios, durante o Reveillon, e já começa uma dupla de lésbicas em uma transa quente em que as duas acabam mortas. Este é o crime que os já conhecidos Douglas e Renato irão investigar.

A partir daí toda uma sequência de eventos é desencadeada e muitos outros crimes são cometidos e muitos núcleos de personagens são movimentados.

Em alguns momentos parece que nada faz sentido, que você vai enlouquecer tentando desvendar o mistério, tentando solucionar os crimes, tentando descobrir o culpado, mas acredite: no final, tudo faz sentido.

Tudo faz sentido.

Mesmo que carros tenham explodido, mulheres tenham apanhado, crianças pareçam psicopatas, pessoas voltem do reino dos mortos, homens poderosos afirmem sua autoridade, e etc., etc., etc…., no final, tudo faz sentido.


Fazendo suspense

Estávamos debatendo outro dia e concordamos em uma coisa: os livros da Fernanda são realmente bons. Têm muita ação, têm aquele mistério todo cujas peças vão se encaixando aos poucos. Às vezes até parecem que já se encaixaram, mas o leitor se obriga a recomeçar todo o quebra-cabeça.

Mas entender o quanto o livro foi bem escrito, é na segunda leitura que se consegue. Na primeira leitura você devora, você só quer saber de descobrir o que aconteceu, de ver o fechamento, de conhecer o mistério. Na segunda leitura, é que se percebe a genialidade da coisa, é que se vê cada pista jogada pela escritora para que o leitor, por ele mesmo, consiga desvendar o mistério.

É na segunda leitura que a gente olha e pensa: “Por que foi que não percebi isso?”

Acredite: se você gosta de Agatha Christie, vai gostar de Fernanda W. Borges.


Dica do LeVo

Não leia Sob o Signo de Escorpião antes de ler os dois primeiros livros da série: Orgasmos Fatais e O Reverso do Destino.

Não é que a leitura seja impossível (nós fizemos o teste), mas certamente você vai ficar boiando (ainda se fala isso?) em alguns momentos, além de se frustrar se, mais tarde, quiser ler os outros livros.

O Leitor Voraz Adverte_thumb[2]_thumb[2]

Onde Comprar

11024766_844001528976491_6840433292933597994_nPor enquanto, só na Bienal do Rio 2017. (Eu disse que a gente leu antes de todo mundo!)

A autora vai estar lá no dia 07 de setembro conversando com a a galera e autografando este e outros livros de sua autoria.

Depois da Bienal, poderá ser adquirido online pelo site da Livraria Drago.

Quer saber mais sobre a autora e bater um papo legal com ela sem ter que ir até o Rio de Janeiro para a Bienal? Siga a página no Facebook.


Leia também:

(Resenha) Orgasmos Fatais

(Resenha) O Reverso do Destino