Diários do Vampiro

Vou confessar que tenho o livro há quase um ano.
Depois que  me rendi a Crepúsculo, de Stephenie Meyer, fiquei bastante curiosa com relação aos vampiros modernos – aqueles diferentes dos que eu conheci com Anne Rice e Bram Stoker. Vampiros que se apaixonam, que tentam não se render às trevas. Vampiros bonzinhos!!! Imbuída desse espírito, e no rastro de Crepúsculo, comprei os dois primeiros volumes de Diários do Vampiro mas acabei encostando na minha estante.


Na segunda feira, quando comecei a ler duas coisas aconteceram: a primeira é que não consegui parar de ler antes de terminar os dois volumes; a segunda é que percebi que a história é, no argumento, basicamente igual a Crepúsculo. Está tudo lá: o vampiro bonzinho que quer abandonar as trevas, decide conviver junto aos humanos bebendo apenas sangue de animais e se apaixona pela colegial inocente; a colegial inocente; os segredos; a capacidade da colegial enxergar a bondade através dos olhos do vampiro mesmo tendo certeza – intuitivamente – de que ele é perigoso; o porsche 911;  a Itália; a cidade pequena e obscura onde tudo acontece; está lá até mesmo o crepúsculo que deu nome ao primeiro livro de Stephenie Meyer. 


Como achei as coincidências muito grandes, primeiro fui conferir o Copyright do livro e vi que a história original de Diários do Vampiro é de 1991, enquanto a de Stephenie Meyer é de 2005. Então, pesquisei no Google. Ao que parece a própria autora de Diários do Vampiro acusou Meyer de plágio. Não tive  curiosidade suficiente para descobrir o que aconteceu depois, se há processo em andamento ou se ficou na bate-boca na imprensa, mas a uma conclusão eu cheguei: a vida de Smith deve ter melhorado muito depois do sucesso da saga de Stephenie Meyer. Seus livros ganharam uma série para a televisão e foram traduzidos em diversas línguas. Aqui no Brasil eles chegaram em 2009 pelo selo Galera, da Record.



Até onde eu li de Diários do Vampiro, as semelhanças param no argumento. As histórias em si são muito diferentes uma da outra. Os vampiros de Smith são muito mais sombrios, mais próximos do que a literatura tradicional já nos apresentou como vampiros, eles têm fraquezas, bebem sangue e são mesmo malvados. Enquanto que nos livros da Stephenie Meyer, eles mais parecem personagens de um romance estilo “Julia/Sabrina/Bianca” (se você nunca leu um Julia, Sabrina ou Bianca, clique aqui e descubra o que é).
 

As duas séries têm seus méritos. J.L. Smith é sem dúvida uma escritora melhor que Meyer, mas Meyer soube criar seus personagens. É muito mais fácil sentir simpatia – e até empatia em alguns momentos - por uma desastrada Bella Swan do que por uma loira gostosona, rainha da escola e super-popular que, apesar de ter tudo, não está contente com o que tem. Isso pra não falar no Edward Cullen. Um simples boa noite bem dito pelo Cullen em Crepúsculo faria o herói da história de Smith, Stefan, se encolher e chorar de vergonha.
Mas agora, vamos esquecer as comparações e falar do livro.

* Alerta de Spoiler: o texto a seguir contém informações sobre o enredo.

Diários do Vampiro - O Despertar
Conta a história de Elena. Estudante bonita e popular. A realeza como ela mesma gosta de se considerar. Amada e invejada por todos na escola mas infeliz. Sente que algo lhe falta até conhecer Stefan. Bonito, rico e misterioso, Stefan não parece querer fazer parte de seu séquito de admiradores e isso deixa Elena inconformada além de apaixonada.
Stefan é um vampiro atormentado por sua natureza maligna e está tentando levar uma vida normal, misturado aos humanos. Quando percebe Elena, se encanta imediatamente por sua força interior – sim, ele também lê as pessoas, mas somente suas auras – no entanto a semelhança física de Elena com um amor perdido há muitos séculos faz com que ele se afaste.
Como era de se esperar os dois acabam ficando juntos. A história é muito bem costurada e a autora J.L. Smith sabe fazer bem o trabalho de segurar o leitor preso às páginas de seu livro mas falta um pouco de sal ao casal principal. Elena não desperta empatia, por ser popular e mimada e Stefan é um ‘idiota sofredor’. Toda mulher já teve um namorado assim: sofredor.  Um coitadinho procurando por um colo quente onde se encostar. A história de amor dos dois não convence  mas os demais elementos do livro ajudam a criar um suspense juvenil delicioso: o corvo negro que vigia Elena constantemente e a paranormalidade de Bonnie – uma das melhores amigas de Elena – são alguns desses elementos.
Quase no final do livro, revela-se Damon. O irmão malvado de Stefan. Damon se mostrou um personagem bastante interessante e sensual também. Há um confronto entre os irmãos. Damon vence. Stefan desaparece e Elena vai procura-lo e esse é o gancho para o próximo livro O Confronto.

Diários do Vampiro - O Confronto

O segundo livro da série Diários do Vampiro é melhor que o primeiro. Se afastou um pouco do casalzinho sem sal e se focou mais no sobrenatural.
A história começa com a busca de Elena por Stefan, que desapareceu depois de um confronto com seu irmão Damon.
Damon passou a assediar Elena com mais veemência o que rendeu trechos muito sensuais.Damon é muito mais interessante do que o irmão: charmoso, sexy, inteligente e poderoso. Extremamente poderoso e faz com Elena aquele joguinho delicioso de "quem pode mais" na hora do flerte.
O personagem Elena também deu uma guinada. De rainha do colégio passou a pária social e ela precisou se adaptar a esta nova situação o que fez seu caráter aparecer, e foi bom, ela ficou bem mais interessante.
Como trama paralela tem o plano de Caroline (ex-melhor amiga de Elena) e Tyler (que levou uma surra  de Stefan no primeiro livro depois que tentou violentar Elena) para expulsar Stefan da cidade e acabar de vez com a vida social de Elena no colégio.
Stefan explica muitas coisas sobre os vampiros para Elena e dá a ela munição para combater Damon, o que ela, de fato, não quer.
Há cenas ótimas que remetem o leitor aos vampiros originais que têm poderes de hipnose e conseguem controlar os humanos, inclusive nos sonhos. Só senti falta da Bonnie. Com seus poderes paranormais ela poderia ter sido mais explorada nesta parte da história.
Não tenho os outros livros da série ainda. Mas vou lê-los em breve, e conto depois.