Amada

amada

Céleres, as estrelas caem do céu.
Tu as recolhes, uma a uma,
- ó segadora de luzes!

Ilumina com elas a noite
de tua cabeleira longa.
E fica assim, imóvel, risonha,
diante de mim deslumbrado
- mito cintilante do amor.

Mário da Silva Brito

 

*A imagem é do site http://www.overmundo.com.br